domingo, 14 de junho de 2009

Hobby Francês

Le Présent de L'indicatif


Verbos da 1ª conjugação (1º grupo)

Retira-se "ER" e acrescentamos: e, es, ons, ez, ent

Ex: chanter, aller, trouver, acheter, s'apeller, nicher, liquéfier, ligner, liguer, lézarder, piter, pincer, quitter, rapiéceter, rapiner, rappeler, sacer, sangler.

Conjugando o verbo trouver no présent de l'indicatif

Je trouve
Tu trouves
Il, Elle, on trouve
Nous trouvons
Vous trouvez
Ils, Elles trouvent



Passé composé


j'ai trouvé
tu as trouvé
il a trouvé
nous avons trouvé
vous avez trouvé
ils ont trouvé



sexta-feira, 12 de junho de 2009

Seis Horas

São seis horas quando bate o sino.
É quando voltam para casa
O rico e o pobre,
O pequeno e o grande.
Então os seus sonhos se esfumaçam
E onde os próprios se acabam.
Se acabam no final do dia e com o dia.
É a hora quando surge o sonhador
E eu fico meditando: "se Nosso Senhor
Não tivesse criado a noite cheia de estrelas
E de escuridão sem fim, e de calmaria?"
Então não se poderia sonhar
Porque a vida seria um dia sem fim.
Um dia apenas de duras realidades,
Um dia em que morreríamos
Porque não poderíamos sonhar.
Eu tenho certeza que aquele interminável dia
Torna-se-ia numa imensa noite
Para todos os viventes...
E nunca saberíamos como sonhar,
Jamais sonharíamos com o amanhã.

Espinhos





Às vezes vejo-me impotente
entre os espinhos
num imenso emaranhado
de pontiagudas emoções.

Luto para extirpar da alma
este tormento...
meus anseios convulsionam-se
perdidos no fim dos meus dias.

Verei algures um túnel iluminado?
Um raio de esperança?
Ou um "fio de ariadne"
para guiar-me?

Entorno a alma vazia de soluções
perante mim, e
revolvo-me agonizando
nestes espinhos do meu viver.
Eu nunca os desejei,
mas aí estão.
Jamais os invoquei, porém
na noite escura me acharam.
Ocultei-me no meu eu mais profundo
e os pavores me cercaram,
e os espinhos pontiagudos
me encontraram finalmente.

Meus abstratos

Meu Testemunho - Final

Numa quinta-feira, dia 15 de junho de 1989, houve um culto de ação de graças na minha casa. Neste dia eu não sai, não tive vontade. Alguma coisa me fez permanecer ali até o inicio. Neste dia eu entreguei minhavida a Jesus. Os meus pais e irmão ficaram muito felizes. O pastor Edvanildo me abraçou e disse-me que agora era o momento da minha cura, porque o médico dos médicos é Jesus, só Ele poderia me libertar daquela opressão maligna. O coral de jovens cantou corinhos, outros recitaram salmos, um presbítero deu a Palavra, e assim eu dei os meus primeiros passos na estrada do Pastor da Galiléia. Hoje eu dou mil graças a Deus pela minha vida, por Ele ter me libertado e me guiado no caminha da salvação. As convulsões ficaram para trás, o espiritismo ficou para trás, a mediunidade de há muito não faz mais parte da minha vida. Qual não foi a minha surpresa quando depois de seis meses a médium dona do centro de umbanda onde frequentei vários anos abandonou também a mentira em que estava assentada e rendeu-se aos pés de Jesus! Graças a Deus o inimigo já foi destruido a muito tempo, e não tem mais poder, apenas mente e engana a muitos. Eu jamais desistirei da batalha e não penso de voltar atrás onde está o lugar do engano, da ilusão e da morte.
"Quem quizer tome de graça da água da vida" - são palavras de Jesus. Esta água saciou a minha sede e pode te saciar também. "Entrega os teus caminhaos aos Senhor, confia nEle e o mais Ele fará."

terça-feira, 9 de junho de 2009

Meu Testemunho - Parte 3





Eu fiquei muito alegre vendo minha querida mãesinha curada daquele mal terrível. A atmosfera no meu lar estava mais suave. Todos estávamos nos regozijando pelas bênçãos que o Senhor Jesus estava realizando naqueles dias em nossas vidas.
Certo dia o médium com o qual nos consultávamos nos visitou. Ele perguntou como estava a saúde de mãe e pai relatou tudo o que havia acontecido. Com certeza ele não gostou de ouvir o relato, e depois que lhe foi feito o convite para entregar também sua vida a Jesus ele retirou-se e jamais retornaria a nossa casa. Um pobre coitado! Uma boa oportunidade não devemos rejeitar. Foi isso que ele fez. Até hoje pelo que sei ele vive ainda escravo de satanás.
Meus pais e meus seis irmãos frequentavam a igreja todos os dias. Mas eu continuei sendo católico, tocando orgão nas missas ainda por dois anos. foi então que num culto que realizou-se lá em casa eu resolvi entregar minha vida ao Senhor Jesus. Eu tinha um ódio inexplicavel pelos evangélicos e não queria nem mesmo fitá-los nos olhos. Não queria ouvir meus pais falando do evangelho para mim. Quando faziam cultos lá em casa eu saia e me dirigia até a casa paroquial. Continuava tendo convulsões.
Mas chegou um momento em que todo este mal cessou na minha vida. Eu busquei o Senhor com todas as minhas forças. Usei a fé. E fui curado, glória a Deus, Jesus é o Médico dos médicos, Ele me curou! Sim! E você também se acreditar, se usar tua fé então serás curado!

Meus Abstratos

Jogo da Velha

terça-feira, 2 de junho de 2009

APOCALIPSE

-O fim do mundo ou o fim do medo-






O temor de uma repentina destruição, de uma batalha final que assolaria e destruiria totalmente este orbe onde vivemos angustia a vida de muitos, por muito tempo. Parece ser um sentimento inato do ser humano. Durante milhares e milhares de anos no passado, aconteceram terremotos, inundações, incêndios os quais destruiram quase por completo a vida neste pequeno planeta perdido na vastidão da galáxia Via Láctea. Especies de animais, plantas e outros seres vivos foram extintos no passado remoto devido a estas catástrofes. Parece que a crença de um fim iminente, de uma destruição em massa da vida terrena está profundamente enraizada no mais profundo do coração humano. Claro, este medo tão intrínseco no ser humano tem lá sua razão de existir.
Há algo que impulsiona esta falta de esperança, a ansiedade nos corações, este vazio existencial. É sem dúvida o distanciamente do divino, do trancendental. Se não existe um norte para nos orientar, então não conseguirjemos chegar a lugar nenhum. Quem atinge a dimensão espiritual, trancendental, que eleve o ser noutro patamar superior onde ele consiga encontrar o Norte, então tudo se esclarecerá. Aquele vazio existencial, a falta de esperança, o medo do futuro se acabará. Até o final do século passado este terror indizível de uma catástrofe que iniciaria o fim do mundo amargurava o coração humano. Todos aguardavam o espetáculo de um apocalipse que deflagraria o início do fim. Os olhos de todos era voltado para o alto em busca de sinais. Qualquer acontecimento na terra tais como peste, guerra, terremotos, tudo indicaria já um fim sem volta. Políticos, cientistas, religiosos, místicos, exotéricos, orientais... todos estavam confiantes que agora "ele" viria. Não restava mais nada, tudo estava "consumado". Nada mais podiamos fazer. O ano 2000 se aproximava velozmente. As mentes mais fugazes, mais distraídas, ainda assim estavam aflitas e procuravam evadir-se destes pensamentos. Outros procuravam a todo esforço ignorar o assunto. Mas no geral toda a terra estava angustiada e um suspense pairava sobre as nuvens carregadas de tempestades.
"-O fim vem! O fim vem!"- Bradavam vozes religiosas e outras místicas em todos os recantos da terra. "-Agora é o juízo final!"- Exclamavam outros. As passagens bíblicas a respeito do fim do mundo, do apocalipse, nunca foram tão valorizados, anunciados, meditados, folheados como neste final de era. O final do século vinte estava carregado de nuvens negras, incertezas, fobias, dúvidas.
A verdade apesar de tudo isto, é que em nenhum lugar da Bíblia está escrito que o mundo terá um fim. Muito menos no final do século vinte. Ao contrario, o que está revelado é que este mundo será transformado. Não destruído. Segundo a Palavra de Deus, Ele renovará esta terra. Ele vem fazer uma manutenção gigantesca neste planeta, onde um novo céu é uma nova terra surgirá. Não há fundamento para tanto medo, tanta angústia nos corações. A impiedade, a mentira, a hipocrisia estes sim serão aniquilados, destruídos. O juízo de Deus é para corrigir. Não destruir a terra.
Se você que ser habitante deste novo céu e desta nova terra é necessário que busque o Deus único e verdadeiro revelado em Jesus Cristo. Ele é a tua esperança. Não mais terás medo, dúvidas, e desfrutarás das bênçãos que Ele derramará no mundo reconstruído. A fome, a guerra, a peste não mais terão lugar neste planeta. A justiça será rainha e o amor será o rei. O teu medo terá fim. Não será o fim do mundo mas o fim do medo.


Meu Testemunho - Como o Senhor Jesus me libertou de convulsões terríveis







O ser humano não busca a Deus em vão, ou por motivos fúteis, e vaidosos. Algum problema, alguma bênção que recebemos do alto, um ato profundo de gratidão a Jesus... os motivos são diversos. Comigo não foi diferente. Eu não busquei o Senhor por mero acaso. Na minha carne senti a dor aguda de espinhos me angustiando. Eu vivi meus primeiros passos na localidade Sítio Játoba, municipio de Bananeiras, cidade centenária paraibana situada no circuito do frio da Serra da Borborema. Minha mãe contava a história de uma certa mendiga que um dia chegou pedindo um pouco de farinha para matar a fome. Ela viu uma criança no colo de minha mãe, alegre e cheia de saúde, sempre a sorrir. Ela admirou-se de tanta vitalidade. "-Que menino lindo! Que coisa mais fofinha..."- repetiu a mendiga diversas vezes. Era conhecida como Ana do pé torto. Momentos depois de sumir na curva da estrada, minha mãe notou algo anormal em mim. Eu comecei a passar mal, vomitando e chorando. Ela me levou ao médico à tarde. Eu tinha febre e chorava. Bem, até que eu não sou dado a superstições, mau-olhado, gato preto e coisas desse tipo. Mas minha mãe acha que eu não tive mais tanta saúde a partir daquele dia.

Éramos uma família tradicional católica, participávamos de missas, celebrações, novenas, terços, medalhas de "Nossa Senhora" e assim vai... Mas o que de repente deu um rumo diferente, negro e tenebroso na minha vida foi algo que aconteceu aos meus sete anos de idade. Eu comecei a ter convulsões. Eram seguidas de forte dor de cabeça, náuseas, a pressão baixava. Era terrível tudo aquilo para mim. Os meus pais ficaram aflitos e desnorteados. Aquilo começou certa tarde quando estávamos jantando. Eu fiquei olhando para as paredes...estava confuso... eu ainda me recordo daqueles primeiros instantes... foi terrível. Fui levado ao médico, ele pediu um eletroencefalograma completo. O exame foi realizado no HU de João Pessoa. O primeiro exame acusou alguma coisa anormal. O médico não explicou bem o que poderia ser. Ele prescreveu este medicamento: Comital L. Tomei como indicado mas não obtive nehum proveito, pois as convulsões continuaram, aumentando a freqüência. Ele mandou aumentar a dose diária, mas mesmo assim continuei tendo convulsões. Aos 11 anos de idade eu fui outra vez ao HU (Hospital Universitário) para realizar mais outro exame. Para surpresa de todos o resultado deu negativo. Nada mais foi constatado. Alguém poderia respirar aliviado e exclamar: "Graças a Deus! O problema está regredindo!"- Para nossa frustração o mal continuou a existir.

A médica que realizou o exame era uma pessoa simpática e muito gentil. Ela me abraçou e beijou e me disse que eu iria ficar bom, que acreditasse em Deus. Ela nos conduziu, eu e minha tia Creuza, para o seu gabinete. Ela disse que tinha algo para nos dizer. Sobre o meu caso ela disse algo que influenciaria minha vida por algum tempo. Ela iniciou o assunto nos dizendo que neste mundo existem aspectos que não devemos deixar passar despercebidos. Ela revelou-se uma seguidora da doutrina espírita e disse que meu caso era espiritual. Aconselhou que meus pais procurassem um centro espírita. A minha tia apenas escutou calada. Então voltamos para Solânea onde já eu estava morando em 1978. O meu pai ouviu o recado que a médica havia mandado. Mas o tempo foi passando, eu continuei tomando o Comital L, as convulsões continuaram, e meus pais cada vez mais preocupados comigo. Eu já estava com um pouco de sentimentos de inferioridade, me tornei uma pessoa tímida, isolada, tinha poucos amigos. Os que me olhavam ao caminhar pelas ruas, eu pensava que estavam me julgando, que sabiam domeu problema. Aquilo era terrível. Foi por isso que desisti dos estudos aos 16 anos. Cada vez mais aquilo pesava na alma. Eu me sentia inferior. Eu ia muito bem nos estudos da 7ª séria do 1º grau. Os professores pediram para continuar, que eu era um bom aluno, esforçado. Mas nada disso foi bastante para que eu me animasse.
Em 1982 ganhamos novos vizinhos. Mãe simpatizou com eles e logo todos éramos amigos. Aos poucos ela foi tomando conhecimento do meu caso e não tardou em dar sua opinião. Ela nos disse que era médium e frequentava um centro de umbanda ali perto. Ela ecoou as mesmas palavras daquela médica do HU anos antes: -"Neste mundo existe de tudo". O meu pai era católico praticante na época, era ministro da eucaristia (o que distribui a óstia durante a missa). Ele relutou um pouco, mas um dia contou o caso ao padre ele consentiu dizendo que "se isto é para o bem do teu filho então pode ir, você não vai fazer mal a ninguem..." e coisa desse tipo.
Dias depois lá estávamos no salão onde outras pessoas estavam reunidas esperando por "Dona Zil", a médium espírita. A consulta iniciou, eu fui apresentado ao "guia" e ele me disse que o meu caso era de origem espiritual. Nenum remédio iria resolver. Ele disse que eu estava sofrendo porque era médium, que precisava desenvolver a mediunidade e ficar liberto daquela enfermidade.
(Leia na próxima postagem mais uma parte deste relato).