segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Faça como eu, use o Adobe Reader para ler arquivos em PDF

domingo, 27 de novembro de 2011

Os Incas - parte 02

A Cultura Inca

    Os Incas eram grandes construtores.  Ergueram imponentes construções usando pesados blocos de pedras encaixadas. Eram templos, palácios e casas de nobres e plebeus. A cidade de Machu Picchu é um exemplo da arquitetura urbana deste povo. Ela foi descoberta em 1911. Eles também eram hábeis agricultores. Criaram a técnica de cultivo em terraços ( degraus formados nas íngremes montanhas).   Cultivavam feijão, milho, alimento considerado sagrado, e batatas. Para irrigar suas plantações usam canais por onde conduziam água. Desviavam o curso dos rios para as aldeias. Com ouro, prata, tecidos e jóias exercitavam sua arte.
Na religião tinham como deus principal o Sol (deus Inti). O condor e o jaguar eram considerados sagrados por eles. Viracocha era o seu deus criador.

Saiba mais aqui:
- Séjouné, Laurette - América Latina I: antiguas culturas precolombianas Siglo XXI, México, 1978, 8ª ed.
- Baudin, Louis - A vida quotidiana no tempo dos últimos Incas, Edições "livros do Brasil", Lisboa, s/d.
- Galeano, Eduardo - As veias abertas da América Latina, Editora Paz e Terra, Rio de Janeiro, 1978

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Série Povos da Terra - Os Incas - Parte 01



Descendentes do incas


Nos confins da Cordilheira dos Andes uma importante civilização ergueu os seus domínios e fundou um grandiosos império. Eram os incas, que juntos com os Maias e os Astecas representam os grandes impérios que dominaram as Américas antes da chegada dos europeus.
    Diz a lenda que a região do Titicaca era um vale bastante fértil, habitado por homens que viviam felizes e tranquilos. Nada lhes faltava, a terra era muito rica, fértil e os presenteava com tudo do que necessitavam. Nesta terra não se conhecia nem a morte, nem o ódio, nem a ambição. Os Apus, que eram os deuses das montanhas, protegiam a todos. Os Apus impuseram apenas uma proibição: nada, nem ninguém deveria subir nas montanhas, onde estava acesso o “fogo sagrado”.


Machupicchu, na Cordilheira dos Andes
Durante muito tempo não passava pela cabeça dos homens  desrespeitar esta simples regra. Mas o demônio, espírito maligno, condenado a viver na repleta escuridão, não suportava ver a felicidade e tranquilidade com as quais os homens viviam no vale. Coberto de inveja ele começou a semear a discórdia, pedindo a eles que provassem sua coragem e fossem buscar o “fogo sagrado” nas montanhas.

Lago Titicaca
Então, num belo dia pela manhã, os homens iniciaram sua escalada nas montanhas, mas no meio do caminho foram surpreendidos pelos Apus. Estes entenderam que os homens haviam desobedecido sua única regra e que deveriam ser exterminados. Milhares de pumas saíram das cavernas e devoraram os homens enquanto estes suplicavam ao demônio por sua ajuda, enquanto este permaneceu insensível as suas súplicas. 
Cordilheira dos Andes
Vendo isto, Inti, o deus do sol, começou a chorar. Suas lágrimas eram tão abundantes que em quarenta dias inundou todo o vale. Somente um homem e uma mulher conseguiram se salvar, sobre uma barca de junco.
Quando o sol brilhou novamente, o homem e a mulher não conseguiam acreditar no que seus olhos viam: abaixo do céu azul estava um lago imenso e límpido. No meio de suas águas flutuavam os pumas, afogados e transformados em estátuas de pedra.
Chamaram então o lago Titicaca de “o lago dos pumas de pedra”.
Lago Titicaca
Sapa Inca era o imperador dos Incas, considerado um deus na Terra. A hierarquia inca era formada por nobres (governantes, chefes militares, juízes e sacerdotes),  camada média ( funcionários públicos e profissionais especializados), e a classe mais baixa (artesãos e camponeses). Esta última camada era quem pagava a maior parte dos impostos ao rei em mercadorias ou trabalhando nas obras públicas.

domingo, 20 de novembro de 2011

Dicas de Serigrafia (silkscreen)

 Impressão em Vidro


Eu encontrei este site interessante para aqueles que consideram a serigrafia mais como um negócio do que como hobby e artesanato.


A Serigrafia consiste em transferir desenhos, fotos ou superfície de cor, através da aplicação de esmalte cerâmico, para uma lamina de vidro que posteriormente é submetida ao processo de têmpera. Suas características de resistência mecânica e versatilidade cumprem várias funções e assumem qualquer aparência.
    Sempre atenta ao crescimento do interesse de arquitetos e designers na personalização 
de projetos e produtos, além da experiência e constante desenvolvimento da tecnologia da 
serigrafia através de telas, a Brazilglass investiu em modernos equipamentos para impressão.
digital em vidros abrindo um novo mundo de possibilidades.
    A impressão digital reproduz com precisão, simples ou sofisticados desenhos, fotos, texturas,
qualquer tipo de figura, imprimindo até 4 cores simultaneamente no modelo CMYK.

Continue lendo aqui.


DICA:


APRENDA AQUI COMO ESCOLHER O NÁILON ADEQUADO A CADA TIPO DE IMPRESSÃO.
Neste site tem uma tabela com medidas padrões de telas para serigrafia.
Tipos de tecido, de molduras, que tinta ser usada para determinado trabalho, e muito mais.

CLIQUE NESTE LINK:

http://www.megasilk.com.br/servicos_matrizes.htm

http://www.angelfire.com/electronic2/pedalamp/luthier.pdf




Dicas de Serigrafia (silkscreen)

 Impressão em Vidro


Eu encontrei este site interessante para aqueles que consideram a serigrafia mais como um negócio do que como hobby e artesanato.


A Serigrafia consiste em transferir desenhos, fotos ou superfície de cor, através da aplicação de esmalte cerâmico, para uma lamina de vidro que posteriormente é submetida ao processo de têmpera. Suas características de resistência mecânica e versatilidade cumprem várias funções e assumem qualquer aparência.
    Sempre atenta ao crescimento do interesse de arquitetos e designers na personalização 
de projetos e produtos, além da experiência e constante desenvolvimento da tecnologia da 
serigrafia através de telas, a Brazilglass investiu em modernos equipamentos para impressão.
digital em vidros abrindo um novo mundo de possibilidades.
    A impressão digital reproduz com precisão, simples ou sofisticados desenhos, fotos, texturas,
qualquer tipo de figura, imprimindo até 4 cores simultaneamente no modelo CMYK.

Continue lendo aqui.





quinta-feira, 17 de novembro de 2011

DICAS DE PINTURA: PASTÉIS (parte 02)

Pastéis a óleo



Estes não podem ser usados em conjunto com as outras  variações, pois são unidos por óleo em lugar de goma. Entretanto , representam uma alternativa excelente aos pastéis macios, reproduzindo efeitos muito interessantes e semelhantes à pintura.

 O aspecto mais intrigante deles é a sua capacidade de serem "derretidos" em terebintina ou solvente, podendo ser aplicados sobre o papel com pincel. Você poderá até mergulhar um pincel em terebintina e depois esfregá-lo contra os pastéis, para usá-lo como usaria tinta convencional. A opção das cores é bem mais restrita que a dos pastéis macios, mas, à medida que o meio aumenta sua popularidade, os fabricantes aumentam a resposta à demanda.

Nuances diversas
Na pintura a óleo, aquarela e acrílica, é possível trabalhar com poucas cores, pois através de misturas se obtém muitas outras cores. No entanto, os pastéis não podem ser misturados antecipadamente, exigindo que você possua muito mais bastões de pastéis do que bisnagas de tintas. A escolha de uma gama de cores que combinam entre si sem incorrer numa despesa exorbitante pode ser um problema. Algumas seleções de cores contêm centena de cores, então por onde começar?
    O bom é que muitos fabricantes o ajudaram neste aspecto, produzindo jogos de pastéis para "iniciantes", próprios para áreas específicas. Existem, por exemplo, jogos completos grandes e pequenos, abrangendo uma gama adequada de cores, seja para trabalhar em paisagens ou retratos. Um destes pode ser um bom ponto de partida. Você poderá acrescentar mais cores conforme a necessidade - todos os pastéis são vendidos por unidade, ou em caixas.
  

  Se já estiver familiarizado com as cores, poderá escolhê-los só de olhar. Ao se deparar com as gavetas de pastéis, irá notar que algumas cores possuem nome e número. O último se refere ao tom da cor, por exemplo, se ela é versão clara ou escura do azul-marinho. Toda a cor em pastel é fabricada na tonalidade pura, mais a versão clara e a escura. A primeira obtida através do acréscimo de preto. Infelizmente, não existe um sistema padronizado de nomes e números entre os fabricantes, mas, conforme for adquirindo experiência, será capaz de escolher as cores desejadas com rapidez.

Continua na parte 03.

Visite o Flickr Abstrakor

 
 

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

WALLPAPERS

Um novo visual para sua área de trabalho. Use estes wallpapers à vontade.
Eu usei o Blender 3D para criar estes papéis de parede.








Cursos 24 Horas - Cursos On line


BAIXE O MICROSOFT OFFICE 2003 PORTABLE AQUI:
http://www.mediafire.com/?tb7fdd07o0cyxyg




DICAS DE PINTURA: PASTÉIS (parte 01)

Existem  quatro tipos básicos de pastéis macios (também conhecidos como giz de pastel), pastéis duros, pastéis em lápis, pastéis a óleo. Todos os pastéis são fabricados da mesma maneira. O pigmento moído é engrossado por um "espessante" com o giz, e unido por um tipo de aglutinador, o tradicional sendo a goma tragacanto.

Pastéis Macios

    Usa-se pouco aglutinador na fabricação dos pastéis macios. São quase que pigmento puro, daí o brilho e fragilidade de suas cores, além da textura farinhenta. Muito embora a maioria dos pintores de pastéis faça uso deles, pode ser eficaz sua combinação com os pastéis duros e pastéis em lápis como complemento.

Pastéis Duros
Os pastéis duros contêm mais aglutinador e possuem uma consistência mais fina. Não se partem com tanta facilidade e podem ser apontados para uso em detalhamento. Alguns artistas se utilizam da lateral do bastão de pastel duro para pintar em blocos nas áreas maiores de cor, nos estágios preliminares da pintura. Como são menos farinhentos, o seu uso na sobreposição das cores é mais fácil, à medida que o trabalho progride. Também podem ser usados sozinhos, sendo mais apropriados ao desenho do que à pintura, por favorecerem uma aproximação mais linear. A gama de cores também é mais limitada, ao menso quando comparada aos pastéis macios, onde a variedade de cores é estonteante.

Pastéis em Lápis



Estes também são mais uma ferramenta de desenho que de pintura, mas alguns poucos pastéis em lápis serão um acréscimo interessante a sua coleção; são ideais nas áreas pequenas de detalhamento, bem como na execução de desenhos preliminares. Os lápis grafites comuns jamais devem ser usados em esboços para o pastel, já que os lápis são meio gordurosos e irão repelir qualquer pastel colorido aplicado sobre eles. Na questão de maciez ou dureza, os lápis em pastel ocupam uma posição intermediária. A gama de cores é semelhante à dos pastéis duros.

Continua na parte 2

 



quinta-feira, 10 de novembro de 2011

CEMITÉRIOS



Naquele último jazigo
não há quem profira palavra alguma.
A lua fria amarelada (gema de ovo),
repousa então lúcida e dormente.
Não ouço vozes, não vejo vulto
naquele campo onde o silêncio
arquitetou sua morada.
Nada de vento gélido assoviando ou
almas de mão geladas me apalpando.
(Sem arrepios, sem tremores, sem suor frio).
Apenas silêncio, repouso, descanço...
Eterna sesta que não finda nunca.