sexta-feira, 27 de maio de 2011

Estudo Bíblico - Parte 5

O DIA DA IRA DO SENHOR





     O que significa? O que é exatamente o Dia do Senhor? Segundo a Bíblia, é o tempo dos juízos de Deus sobre as nações. Sim, todas as nações da Terra serão julgadas. Mas, afinal de contas, o juízo de Deus sobre as nações trará paz mundial? Qual e a solução para as guerras entre as nações deste mundo, e a violência, e os conflitos entre os povos? A solução para os problemas deste mundo é o regresso de Jesus Cristo para reinar sobre todas as nações. Ele ensinará o caminho da paz. Jesus Cristo, o Rei dos reis, "E julgará entre muitos povos, e castigará nações poderosas e longínquas" (Mq 4:3). Cristo julgará as nações durante o do Senhor. 
    


    O dia do Senhor é o sétimo selo do Apocalipse.  Recorde-se que durante o dia do Senhor, soam sete trombetas e anunciam o juízo de Deus sobre as nações. Quando quatro das sete trombetas houverem soado, ainda restarão três pragas.  A respeito, o apóstolo João escreve o que viu e ouviu na sua visão:  Olhei, e ouvi uma águia que, voando pelo meio do céu, dizia com grande voz: Ai, ai, ai dos que habitam sobre a terra! por causa dos outros toques de trombeta dos três anjos que ainda vão tocar (Ap 8:13).
    As pragas das últimas três trombetas são conhecidas como "ais". A palavra "ai" aqui, representa uma exclamação de lamento. O primeiro "ai", isto é, a praga da quinta trombeta, é descrita em Apocalipse 9. O quinto anjo soa uma trombeta a qual inicia uma ação militar que durará cinco meses. Que potência mundial realizará esta ação militar? "Tinham sobre si como rei o anjo do abismo, cujo nome em hebraico é Abadom e em grego Apoliom" (Ap 9:11). 
    Sim, o destruidor, Satanás, o Diabo, lhe confere poder e essa força militar. O segundo "ai", a praga da sexta trombeta, é simbolizada por cavalos e seus cavaleiros. Podemos observar aqui um intenso contra-ataque militar:"Passado é já um ai; eis que depois disso vêm ainda dois ais.O sexto anjo tocou a sua trombeta; e ouvi uma voz que vinha das quatro pontas do altar de ouro que estava diante de Deus,   a qual dizia ao sexto anjo, que tinha a trombeta: Solta os quatro anjos que se acham presos junto do grande rio Eufrates" (9:12-14). 
    


   Um exército de 200 milhões marchando para oeste atravessando o rio Eufrates! E destrói a terça parte da população da Terra! "E foram soltos os quatro anjos que haviam sido preparados para aquela hora e dia e mês e ano, a fim de matarem a terça parte dos homens. O número dos exércitos dos cavaleiros era de duas miríades de miríades; pois ouvi o número deles. E assim vi os cavalos nesta visão: os que sobre eles estavam montados tinham couraças de fogo, e de jacinto, e de enxofre; e as cabeças dos cavalos eram como cabeças de leões; e de suas bocas saíam fogo, fumaça e enxofre. Por estas três pragas foi morta a terça parte dos homens, isto é, pelo fogo, pela fumaça e pelo enxofre, que saíam das suas bocas" (Ap 9:15-18). Jesus disse em Mt 24:22 que se aqueles dias não fossem abreviados, ninguém seria salvo, referindo-se o livramento físico, e toda vida seria destruída na Terra!  


 Dica: Para aumenta o tamanho da fonte clique (Ctrl) + (+).






terça-feira, 17 de maio de 2011

Cultura Japonesa



::


Da Idade da Pedra à chegada do Budismo
- de 20 mil a.C. a 538 d.C.


O arquipélago japonês esteve unido ao continente, quer dizer, fazia parte da placa asiática. Isso deve ter acontecido há mais de 100 mil anos. Nesta época, supõe-se que a faixa de terra, que viria a se tornar o Japão, era habitada. Para confirmar esta hipótese, foram encontrados esqueletos fossilizados de homens e animais, inclusive de elefantes pré­históricos. A existência desses animais teria provocado a migração dos povos do norte para o Japão.
O período datado a partir de 20 mil a.C. é conhecido como pré-Jomon. Os habitantes do Japão viviam da caça e da pesca, utilizando-se de instrumentos de pedra, conseguidos através do lascamento. Pode-se dizer, era o período da pedra Lascada ou Paleolítico. Pouco se sabe a respeito deste período. (...)

Visite esta página para continuar esta leitura: http://www.culturajaponesa.com.br


 





LEILÕES DE DESCONTO!
DÊ O SEU LANCE AGORA

  Click Here

domingo, 8 de maio de 2011

FELIZ DIA DAS MÃES - 2012!!

À minha mãe, Nemesia Soares, que junto com Deus me ofertou o sopro da vida e hoje sou um ser vivente!
JESUS TE ABENÇOE, MÃE,  ASSIM COMO A TODAS AS MÃES DO MUNDO INTEIRO!
E que Deus console aquelas mães cujos filhos não as reconheceram!




recados para orkut

Confira os melhores Recados de Dia das Mães na Internet!

terça-feira, 3 de maio de 2011

Hebreus - Crise política, Diáspora e Reconstrução


A crise política atingiu seu auge em 935 a.C., momento em que o rei Salomão faleceu. A disputa entre as tribos causou a separação dos hebreus em dois diferentes Estados. O Reino de Judá, formado pelas tribos de Benjamim e Judá, foi controlado por Roboão, filho do rei Salomão. As dez tribos restantes formaram o Reino de Israel, dominado por Jeroboão, com capital em Samaria. Dessa maneira, a civilização hebraica se dividiu entre judeus e israelitas.
    O episódio da divisão política dos territórios abriu portas para que outras civilizações viessem a dominar os hebreus. Em 721 a.C., os assírios conquistaram o Reino de Israel promovendo a assimilação dos valores da cultura de seus dominadores. O Reino de Judá ainda conseguiu manter sua unidade até que, em 596 a.C., o rei babilônico Nabucodonosor liderou a capturas dos judeus para a Mesopotâmia.
   O conhecido Cativeiro Babilônico, que durou meio século, foi interrompido quando o rei persa Ciro I conquistou a Babilônia e libertou os judeus. A libertação judaica foi interpretada como uma oportunidade de se reconquistar a região Palestina. Dessa forma, os judeus buscaram recompor o antigo Reino de Judá. O retorno do povo hebreu à sua terra natal foi seguido por outros processos de dominação. Em 332 a.C., o império macedônico formado por Alexandre, o Grande, dominou a palestina.
   
 No século I a. C., os romanos conquistaram os judeus depois de subjugar os territórios anteriormente controlados pelos macedônicos. A dominação romana contou com grande agitação política entre os grupos judeus que não se conformavam com a falta de autonomia política de seu povo. Os intensos conflitos resultaram na violenta destruição da cidade de Jerusalém no ano de 70 d. C.. Depois de destruírem a capital judaica, o povo judeu foi proibido de retornar à Palestina.
    Esse episódio, conhecido como Diáspora, fez com que os judeus ficassem dispersos em pequenas comunidades ao redor do mundo. Ao longo desses séculos, os judeus se preocuparam em manter os traços de sua cultura e religiosidade. No século XIX, diversos judeus iniciaram um movimento de criação de um Estado judeu na região da Palestina. No ano de 1948, a Organização das Nações Unidas apoiou a criação desse novo país.
    As justificativas políticas e históricas que sustentaram a criação do Estado de Israel sofreram grande oposição das populações árabes palestinas que habitavam o local durante todo esse tempo. Os diversos conflitos entre árabes e israelenses se estendem até os dias atuais.


 

A MORTE DE OBAMA - O FIM DE UM PESADELO

   


O mundo assistiu surpreso as notícias sobre a morte de um dos mais temidos terroristas. Osama Bin Laden foi morto em sua mansão, domingo, 1º de maio. Uma mulher se posicionou diante dele para servir de escudo humano na hora do ataque. Talvez voluntariamente, ou quem sabe obrigada a agir desta forma. Não sabemos. Mas não devemos nos contentar com a morte do ditador Osama, um dos maiores patrocinadores do terrorismo mundial do oriente.
   
O terrorismo não vai cessar com a morte de Bin Laden. Creio que a sua morte causou um grande impacto, uma grande derrota para a Al Qaeda, para o terrorismo de um modo geral. Mas infelizmente o terrorismo não vai cessar com a queda deste terrorista. A única certeza que temos é que os terroristas vão precisar de um tempo para se refazer, mas logo estarão a postos para reagir. Nâo sabemos quando nem onde. Osama Bin Laden odiava a terra de Tio Sam, e os cristãos, e os que se levantavam contra a religião de Maomé. Certamente sua morte não vai calar tão fácil, e a Al Qaeda usará os seus tentáculos para outra vez aterrorizar este mundo tão frágil.