segunda-feira, 26 de agosto de 2013

O Comportamento dos Salvos em Cristo

Na semana passada, uma pessoa comentava que não existe a palavra "evangélico" na Bíblia. Eu me dirigi a ela dizendo o seguinte: O substantivo "evangelho" significa Boas Novas. Jesus Cristo veio ao mundo trazendo a todos nós a boa notícia da salvação. Todas as pessoas que vivem e anunciam essa mensagem são descritas como evangélicas.

As características comportamentais de um cidadão do céu

"Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus" - Efésios 2.8.

A mensagem de salvação declara que o ser humano é salvo pela graça e amor de Deus, ninguém é capaz de escapar da perdição eterna por méritos próprios. As obras são o resultado da salvação e não a causa delas. Espera-se que o crente pratique obras de arrependimento e amor ao próximo para com a sociedade, comporte-se dignamente, com a consciência que é salvo e não pleiteiando ser salvo.

A cidadania celestial (Filipenses 3.20)

"Escondi a tua palavra no meu coração, para eu não pecar contra ti" - Salmos 119.11.

Na carta aos crentes gálatas (5.16-23), Paulo cataloga nove características de uma pessoa que caminha no Espírito, e neste padrão encontra-se o domínio próprio. O cristão deve manter na vida cotidiana firmeza e equilíbrio, para que todos encontrem nele a conduta compatível com o cidadão do céu.

Em Filipenses 1.27 Paulo lembra a todos sobre a responsabilidade do salvo perante a sociedade. O crente vive em teste de fé, é observado pelos de dentro da igreja e por quem está fora. Se está amadurecido espiritualmente, é uma pessoa preparada para reagir com dignidade ante posição oposta. Em circunstâncias favoráveis e desfavoráveis ele responde com atitudes de amor, porque sabe que "quem ama os outros cumpriu a lei" (Romanos 13.8).

Em Filipos, os cidadãos viviam oprimidos por circunstâncias externas e internas. Na sociedade a cultura religiosa era politeísta e o regime político os forçava a idolatrar o governador; no ambiente da igreja existiam falsos obreiros negando a divindade de Jesus Cristo. Então, Paulo escreveu instruções de maneira a que crescessem na fé e pudessem por si mesmos tomar decisões independentes e acertadas.

Nos dias atuais nós atravessamos momentos em que recebemos tentativas de influências negativas para enfraquecer a nossa fé, quando precisamos tomar atitudes sem ter a quem consultar. O Evangelho de Cristo produz em cada crente um comportamento digno e santo diante do Senhor e do mundo, faz toda a diferença se tivermos no coração a Palavra de Deus para manter o pensamento estável e realizemos avaliações sobre qual procedimento digno a ser praticado.

"Porque a vós vos foi concedido, em relação a Cristo, não somente crer nele, como também padecer por ele, tendo o mesmo combate que já em mim tendes visto e agora ouvis estar em mim" - Filipenses 1.29-30. É digno de nota que o contexto de 1.29-30 não se refere às doenças, adoecer não é padecer por Cristo!

Existem momentos de aflições em que o cristão padece por Jesus, portanto deve estar cônscio que sua chamada cristã não é composta apenas de tempos bons. É quando ele precisa usar o bom ânimo, agir com coragem e perseverança e apresentar a alegria, outra característica do fruto do Espírito, e responder com atitudes e palavras que representem a mansidão de Cristo aos que resistem à nossa fé (João 16.33; 1 Pedro 3.15; Gálatas 5.16.23).

Unidade na diversidade

Diversas vezes em suas cartas Paulo tocou no assunto da norma ética cristã e adverte sobre os sentimentos de individualismo e sectarismo e apela para o uso da humildade de Cristo (Romanos 161,2; Filipenses 2.3; 1 Tessalonicenses 2.12).

Vivemos no cenário brasileiro a  liberdade religiosa, essa liberdade dá margem para abertura de novas portas de pregação. Existem diversas denominações evangélicas espalhadas de norte ao sul, leste ao oeste da nação. O Evangelho de Cristo está acima de todos os dogmas e doutrinas institucionalizadas, portanto, convém ao cristão consultar as páginas bíblicas para separar o joio do trigo, ter condições de diferenciar o movimento genuinamente cristão das iniciativas motivadas por interesses carnais ou heréticos.

Conclusão

Elienai Cabral, comentarista da lição, cita uma reflexão de David Demchuck: "Paulo não está trazendo uma exortação dependente de certas realidades em suas vidas. Antes está desafiando-os sob a suposição de que tais condições, de fato, existem. Esta experiência comum consistia em: encorajamento para ser um em Cristo; conforto no amor de Deus; comunhão no Espírito; ternura e paixão."

A instrução de Paulo estimula o cristão a aprender a portar-se como cidadão celestial em todas as situações da vida, inclusive no sofrimento pelo Evangelho de Cristo, porque tinha a convicção que um dia a adversidade iria acabar e o galardão da fidelidade estava garantido. Este é um bom motivo para que o cristão não se espante, resista às oposições sem se deixar enganar e desanimar (Filipenses 1.28).







Nenhum comentário:

Postar um comentário