sábado, 28 de março de 2009

Paz na Terra

Minha canção é para que sempre
Haja luz iluminando os corações.
Que as aves não cessem o seu canto.
Meus verso são para que os desertos
Não avancem nos corações humanos
E que a água potável jamais se acabe
Nas fontes no meio dos vales.
Que as geleiras continuem
Sólidas como no princípio.
Que os campos branquíssimos
De neve sejam
Sempre como cobertores
Sobre a Groelândia, e no pólo sul
A Antárdida sempre esteja entrando numa fria.
Que o ar do horizonte seja eternamente
Saudável, e que as matas
Nunca percam este verde que inspira a própria vida.
Que os meus olhos não vejam o mar
Adentrando sobre a costa aterrorizando
As cidades dos homens.
Que o espírito dos tsunamis estejam
Para sempre adormecidos.
O mar sossegado embale apenas os seus filhos
Desde as suas profundezas e
Jamais pertubem os filhos de Adão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário